A verdadeira história sobre o Teatro Sandoval Wanderley

Diante de informações imprecisas divulgadas recentemente, a Secult/Funcarte vem a público prestar esclarecimentos acerca da sua atuação à frente do Teatro Municipal Sandoval Wanderley.

A gestão Carlos Eduardo, tendo à frente da pasta de Cultura o secretário Dácio Galvão, foi responsável pelo quadriênio de maior movimentação do Teatro Sandoval Wanderley, entre os anos 2005 a 2008. Nesse período, além de realizar uma reforma para recolocar o espaço em condições de uso, a gestão realizou e recebeu oito projetos de grande porte naquele palco: Pixinguinha, Seis e Meia, Sanfonas do Brasil, Tetê Espíndola, Fausto Nilo, Miúcha dentre outros como Zé Celso Martinez Corrêa – num total de mais de 100 apresentações. Nas instalações do Sandoval Wanderley aconteceram programações inéditas no cenário do teatro no RN.  Historicamente desprezado por artistas e público – em decorrência de suas limitações de localização (estacionamento, acesso, etc.), estrutura (ausência de saída de emergência, de tratamento acústico, etc.), o TSW viveu sua melhor época.

Em janeiro de 2009 – apenas um mês após ser entregue à gestão Micarla de Sousa em perfeito estado de funcionamento – o Teatro Municipal Sandoval Wanderley teve suas portas fechadas, a exemplo de todos os outros equipamentos de cultura do município.

Mais de dois anos depois, em agosto de 2011, com o teatro já muito danificado pela falta de uso e manutenção, a então Deputada Federal Fátima Bezerra anunciou a emenda parlamentar no valor de R$ 800.000,00 (ou seja, na gestão de Micarla que tinha fechado o TSW) para uma nova recuperação do teatro e sua adequação às normas de segurança – em especial a saída de emergência – para a sua reabertura. Nos anos subsequentes da gestão Micarla nenhum esforço foi feito para firmar esse convênio, e assim o Teatro permaneceu trancado por todos esses anos, sofrendo o desgaste do abandono.

Ao retornar à frente da Fundação Cultural Capitania das Artes, o agora Secretário Dácio Galvão e sua equipe descobriram que o Projeto não estava concluído junto ao SICONV, exigência básica para este tipo de Convênio, encontrando o Sandoval sem nenhuma condição de uso, com piso e teto muito danificados pelas infiltrações, e equipamentos sucateados e destruídos.

Diante das novas demandas de segurança, após o desastre da Boate Kiss, a equipe da Funcarte se dedicou ao longo do ano de 2013 em duas frentes distintas: por um lado readequar o projeto às novas exigências do corpo de bombeiros, e pro outro tentar salvar o já caduco convênio junto ao MinC e a Deputada Fátima Bezerra (elaborando e concluindo o Projeto junto ao SICONV, antes de encaminhá-lo ao Corpo de Bombeiros).

O convênio teve seu prazo prorrogado, porém não o suficiente para aguardar o tempo que o Corpo de Bombeiros precisou para a tramitação do projeto de adequação de segurança (oito meses), diante da grande demanda de outros projetos de semelhante natureza na cidade. Assim, o convênio foi definitivamente perdido e, além disso, o valor para a reforma foi ampliado em cerca de 50%, tanto pelas novas exigências como, principalmente, pela deterioração do edifício ao longo dos anos que permaneceu fechado.

Durante o ano de 2014, a gestão se empenhou em encontrar outras vias de subsidiar a reforma, em especial na tentativa de um novo convênio com o Governo Federal. Esgotadas essas possibilidades, iniciou-se um estudo para viabilizar com investimento próprio da Prefeitura. No entanto, a partir de 2015 os cofres municipais sofreram um radical corte, em decorrência da crise no país, e a consequente queda de arrecadação, e a gestão se viu impossibilitada de levar adiante esses planos.

O teatro segue, infelizmente, com suas portas fechadas. A atual gestão da gerência do TSW vem atuando no sentido de limpar e manter o espaço nas melhores condições possíveis no momento, e segue trabalhando em outras frentes, como o programa de oficinas que acontece desde 2014, e o recém lançado Edital Território das Artes, que apoiará a manutenção de programação de espaços independentes da cidade no segundo semestre de 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *